Sunday, July 29, 2012

Nada mundo nada

Espreitamos o futuro, abeirando-nos de suposições.
Vénias ao tempo inatingível que não se verga ás constantes ruminações insatisfeitas e nem a 
ciência exacta nenhuma. Não há. Não vai haver.
Valha-nos, pelo menos, o mistério preservado. E a dor. Intactos.


Alice no país das agruras

Monday, July 16, 2012