Saturday, April 14, 2012

Mário Domingos

Neste Abril de (algum) receio, de (alguma) vergonha e de (alguma) esperança, a sonhar com Maio.
De poetas idos que ficam.
                                   John Russell, 1745/1806, Museu do Louvre

MAIO

Um dia mereceremos Maio.
Traremos flores dentro da pele
E o olhar luminoso de quem ama.

Um dia acordarei e será Maio,
Sem palavras, sem gritos, sem fronteiras,
Sem medo de ser Maio, sem medo
De ser.

Um dia mereceremos os maios,
As giestas, o verde das águas
As gotas de orvalho e o cristal dos nervos.

Um dia acordarei e será Maio,
Cheiro de terra, pétala de carne,
Rumor de um horizonte a descobrir
Em mim.

Um dia acordaremos e seremos Maio.


Edium Editora


2 comments:

Multiolhares said...

talvez esse dia ainda não tenha chegado mas possa despertar quando nemos esperaremos
bjs

innername said...

Olá, esperemos lutando que chegue.