Wednesday, December 16, 2009

O paraíso, segundo algumas mulheres

Ela ainda se lembra de arruaceiro e de galã que ele era. Era porque foi toda a vida até mirrar na doença e ser enfiado na caixa a sete palmos abaixo de terra, onde os bichos mendigam alimento.
Lurdes tinha muitos irmãos, tantos que para saber o número certo, socorre-se sempre dos dedos cheios de peles finas, mãos bonitas pra mulher da terra e, depois, vai fechando os olhos a cada nome de irmão conseguido, como se tal fosse esforço sobrehumano. É do cansaço da idade, talvez. Ela nega cansaço. Aponta apenas o coração que já foi segmentado e rectificado duas vezes nesta vida. Tonjarro era um homem aparatoso de bonito e vaidoso que só ela e Deus sabiam. Uns olhos verdes enormes num rosto amendoado. O moreno da pele devia-o ao campo e ás imensas horas de monda com o gado. A vida, ainda assim, tinha-lhe sido mãe e não madrasta, como muitos da sua geração lamuriam. Lurdes suspira quando fala dele. Está morto e isso não a entristece, de maneira nenhuma. Pois, está certo que se vive e se tem de morrer. Ficava-se pra semente? Ela não quer ser semente, já Tonjarro desejava que a sua morte tivesse sido ao mesmo tempo ou após a morte dela. Não lhe tinha amor? Oh tinha e ímpetos de paixão, ainda com 70 e muitos anos e mais que tudo, posse. Esse sentimento de posse dele dera-lhe muitos desconfortos no matrimónio e ela desfiava-os todos, após a sua ida. Lurdes continua bonita e veste-se bem. Ainda toma o seu duche e se preocupa com o perfume e o colar, a echarpe e o sorriso. Esse tem-no a tiracolo sempre. E faz caminhadas, muitas, todos os dias, visitando os amigos e amigas que se mantiveram perto durante toda a vida. Pergunto-lhe: Tia, nem uma saudade bateu ainda dos queixumes do tio? Nada nadinha?
-Nada! Vou-te contar uma coisa, rapariga. Ele era um chato, nestes últimos anos, aquando de ter ficado doente, e depois de vir do hospital. - Ela imita-o nos trejeitos e tenta fazê-lo na voz, pra que eu perceba - Ludres, Ludres, anda cá, oh Ludres, rai's te foda, mulher, anda cá que eu estou a chamar-te ou não?Que queres tu?, perguntava-lhe eu, se ainda saí de perto de ti agorinha mesmo? E era isto o dia todo. Olha, ele pedia-me: Ludres, tu que rezas tanto, eu sei que Deus te ouve , pede-lhe Ludres, pra morrermos no mesmo dia, de preferência no mesmo caixão!!! Eu desatava a rir e ela também, continuando: Mas oh homem, o caixão não dá pra dois. Será que nem depois de morta me vais deixar sossegada?Ele só pensava em pinar, em me montar, e foi assim desde que casemos...Um manfio é o que é! Depois lá voltava ele: - Ludres, já pediste a Deus nas tuas orações do que te falei? E eu nem lhe respondia. Se lhe dissesse, ele ainda passava mal. E nas minhas orações, eu pedi muitas vezes: Ou ele ou eu, que já não o posso aguentar mais! E se for ele a ir embora primeiro, nem que eu fique cá umas horas, só umas horas, só pra saber a que sabe o sossego dele se ir embora, a paz que sabor tem, que com ele nunca soube o que era. Tantos netos e bisnetos que tenho, que alegria!
E tantos dias e meses se passaram e ainda nem acredito que afinal, mereci o paraíso. É isso, eu vivo no paraíso desde que ele se foi! E rimo-nos todos, os que ouvem  e os que re-ouvem a história.
Há quem viva à espera de um paraíso depois da morte, há quem o encontre na morte dos outros.

4 comments:

Arabica said...

Inner,

devem haver tantas, similares a esta tua história, tão bem escrita, tão bem descrita, tão bem confessada...
E ficamos a pensar na tortura que deve ser um casamento para a vida toda, para estas mulheres, que sem quererem conhecer a palavra divórcio, o viveram à espera do paraíso...ou ele ou eu...

Que o paraíso ainda dure muitos e bons anos, mãos nas mãos com todas as alegrias confessadas e simples de mulher do campo, de colares vários ao peito. E alguns pesados.

Um beijo.

Graça said...

Gostei muito de ler este teu texto...


Vim desejar-te um magnífico Natal, imensamente feliz.


Um beijo natalício.

innername said...

Obrigado Arabica e Graça, excelente natal e boas entradas ás duas. E que venha paz colectiva, que cada dia mais se renuncie à hipocrisia e se viva naquilo que a vida faz sentido. É o meu desejo pra todos ;)

Arabica said...

Obrigada :)


Feliz Natal para ti e os teus,
na paz colectiva que desejamos,
na evolução sincera que almejamos,
enfim...! Tu sabes!

Não abuses dos doces :)
Ou...sei lá...abusa :))

Beijos!