Monday, April 27, 2009




De Abril de 1974, só más recordações. A liberdade emprestou um sabor amargo que ainda hoje não comemoro com euforia. A morte do meu pai. Voou-se da minha vida. Talvez seja por isso que prefiro flores selvagens. Terrenas. E não é anarquia. É a minha forma de dizer que continua a doer perder ou ganhar. Aprendi, no entanto, com outras perdas e ganhos, a apreciar todos os abris que se enchem de fertilidade e me trazem mais afectos, seja nas germinações da terra, dos animais, seja na presença das pessoas, seja nos momentos de reflexão.

6 comments:

Cosmunicando said...

e que os abris continuem a abrir novas perspectivas.
beijos

innername said...

vão continuar, Mê, se depender de nós

Arabica said...

Perdi o meu pai em março 74.

Recebi em mim, a alegria que ele teria sentido como sua, se vivesse.

Perpetuei o laço.


E deixo-te uma flor, um abraço.

innername said...

obrgd Arabica, pelo abraço e pela flor ;)

Arabica said...

em maio de chuva, mais um abraço!

innername said...

de chuva, bem podes dizê-lo.
Olá Arábica.
Espero que o B&B esteja operacional.
Votos de sol e de muito turismo, ainda que cá dentro