Wednesday, February 04, 2009




Anoitecemos


Perdemos a cabeça. Perdemos, foi isso.
quando nos abraçamos, numa maré de desafios,
e nos desesperamos do cheiro do outro,
da proximidade do outro, do sorriso.


Perdemos a cabeça. E perdemos a cabeça,
veloz, quando muito depressa
enfrentamos de indicador no nariz o outro,
e as palavras armas em punho, do rio que fomos
sobram duas margens.


Meu amor, perdemo-nos do "nós" que era o outro.
E nada nos salva, nem o silêncio algoz cozinhado
pela precipitação e feito na pressa.

4 comments:

vida de vidro said...

Sabes, o título diz tudo. "Anoitecemos". Que bem dito!! **

carlos peres feio said...

a alma a ditar a poesia?

BAR DO BARDO said...

Riqueza lírica. Flash perfeito que espouca antes do... fim.
Bom texto.

Vocês, portugueses, me comovem.

innername said...

;) anoitecemos todos, algum dia ou n'alguma hora. Depois renascemos feito sois á medida das necessidades locais ;)
Bons bronzeados Bardo, Peres, bons nascimentos pro filho de 14 e tu Alice, não anoiteças sem poesia.
Fim de semana mui molhado por terras nortenhas.