Wednesday, December 03, 2008




Tocar-te me.

dedos devorando pressa e tempo
urgência desejo, arfar, corrida
negação da paz esta guerra
fúria que exige ser combatida.

fechar os olhos
ter-te onde o desejo queima mais perto
fonte generosa, drink indigesto
testa em brasa, beber-te
toco o orgasmo e esgoto o cio
apalpo o meu seio, ardente de frio

invento beijos, flagelo hemisférios
provoco-me, então, o doce arrepio
vibramos os dois, em camas diferentes,
no vazio do nosso leito
combato alguns dos teus medos,
ainda sinto o teu coração correr
qual cavalo, no meu peito entre o lençol de algodão
e agora já calmos, os teus nos meus dedos.
Masturbação.

4 comments:

vida de vidro said...

Bem quente. Para combater a onda de frio? :) Gostei. Muito. **

innername said...

;)

RUBENS GUILHERME PESENTI said...

comento com um pequeno poema meu:

BRINDE

você
não
ouviu
meu
silên
cio...
e só
no cio,
entre
lençóis
e dedos,
ainda te
bebo

innername said...

Obrgd Ruben, um belo complemento pra um momento cioso :)